Blog do Doutor Jairo Bouer

Ajuda do parceiro pode piorar quadro de insônia, sugere estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

Com a intenção de ajudar, muita gente acaba prejudicando os parceiros que sofrem de insônia. Um estudo mostra que conselhos que os companheiros de cama dão quase sempre contradizem as recomendações dos especialistas em medicina do sono.

O trabalho foi feito com 31 parceiros de pessoas que sofrem com insônia, sendo 14 do sexo feminino, por uma equipe do centro de pesquisas sobre o sono da Universidade Monash, na Austrália.

Segundo os resultados, 74% dos parceiros encorajam o marido ou a mulher a ir para a cama mais cedo ou a acordar mais tarde, quando o ideal é que o insone vá se deitar só quando está com muito sono, e procure se levantar sempre no mesmo horário, para não perpetuar o problema.

O levantamento também mostrou que 42% sugerem que o parceiro leia ou assista à TV na cama, para relaxar e pegar no sono mais facilmente, o que também é um erro: quem sofre de insônia deve usar a cama apenas para dormir e ter relações sexuais.

Outros equívocos estimulados pelos bem-intencionados parceiros são servir café à tarde, para afastar a sonolência, estimular sonecas e tentar convencer o insone a fazer menos atividades durante o dia. Tudo isso foi relatado por 35% dos entrevistados.

Os pesquisadores ainda concluíram que, embora os insones se sintam bem pelo suporte que recebem dos parceiros, a preocupação deles pode causar um certo aumento da ansiedade para dormir melhor, o que acaba prejudicando o quadro.

Os dados, preliminares, foram apresentados num suplemento da revista científica Sleep e numa conferência anual sobre o tema realizada nos Estados Unidos esta semana.


Composto da maconha, em dose moderada, pode causar ansiedade
Comentários Comente

Jairo Bouer

Quem usa maconha em geral diz que a droga ajuda a relaxar e aliviar o estresse, embora não existam muitos estudos que comprovem esse efeito. Agora, uma pesquisa confirma que uma dose baixa de THC (tetrahidrocanabinol), o principal composto psicoativo da maconha, ajuda a acalmar. Mas uma dose um pouco mais alta, suficiente para causar um “barato” moderado nos usuários, tem o efeito oposto: aumenta a ansiedade.

Os pesquisadores, das universidades norte-americanas de Illinois e de Chicago, recrutaram 42 voluntários saudáveis, de 18 a 40 anos, que já haviam tido experiências com a maconha, mas que não eram usuários diários.

Os participantes foram divididos em três grupos: o primeiro recebeu uma cápsula com 7,5 mg de THC; o segundo, 12,5 mg; e o terceiro recebeu um placebo. Nem os voluntários, nem os pesquisadores sabiam quem havia recebido o quê.

Os integrantes da pesquisa passaram por duas sessões diferentes, com cindo dias de intervalo entre elas. Na primeira, eles foram convidados a se preparar para uma entrevista simulada, de cinco minutos, em que os participantes eram filmados e podiam visualizar seu próprio desempenho. Eles também tiveram que fazer um cálculo matemático utilizado para induzir o estresse.

Nas segunda visita, cada um tinha que falar sobre um livro ou filme favorito por cinco minutos e, depois, fazer um jogo sozinho por mais cinco minutos. Antes, durante e depois das atividades de ambas as sessões, os voluntários tiveram seus níveis de ansiedade avaliados com perguntas. A pressão arterial, a frequência cardíaca e o cortisol (hormônio do estresse) também foram medidos.

Os participantes que receberam 7,5 miligramas de THC relataram menos estresse nos testes do que aqueles que receberam um placebo, e a tensão deles também diminuiu mais rápido. Já os que receberam 12,5 mg de THC antes das duas sessões ficaram com um humor pior, e relataram que as primeiras tarefas eram ameaçadoras antes mesmo de começar os testes. Eles ainda fizeram mais pausas durante a entrevista simulada, em relação ao placebo.

Não houve diferenças significativas na pressão arterial dos três grupos, nem na freqüência cardíaca ou nos níveis de cortisol – antes, durante ou após as tarefas.

Os autores do estudo observam que conseguir aprovação para estudos em humanos com doses controladas de maconha não é fácil, por questões éticas. Mas eles são importantes, uma vez que ainda faltam evidências científicas sobre os efeitos da droga, apesar de o uso recreativo e medicinal serem aprovados em várias localidades.


Risada social faz o corpo liberar endorfinas, mostra estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

Dá desânimo ir para uma festa com os amigos depois de um dia puxado no trabalho? Pois um estudo sugere que mesmo aquelas risadas que a gente dá só porque todos estão rindo, em situações sociais, ajudam o cérebro a liberar endorfina, substância que alivia a dor e a tensão, e, por isso mesmo, pode reforçar laços de amizade.

A afirmação é de pesquisadores das universidades de Oxford, no Reino Unido, e de Aalto, na Finlândia.  Eles fizeram um experimento com um grupo de voluntários submetidos a exames de tomografia por emissão de pósitrons (PET), depois de receberem injeções de contraste para destacar os receptores opioides (substâncias que aliviam a dor) no cérebro de cada um.

Os participantes fizeram o exame duas vezes: primeiro, depois de passar um tempo considerável sozinhos no laboratório e, na segunda vez, depois de assistir a vídeos engraçados com os amigos.

O riso social levou a sensações prazerosas e aumentou significativamente a liberação de endorfinas e de outras substâncias opioides no cérebro. Os pesquisadores também viram que, quanto mais receptores opioides os participantes tinham no cérebro, mais eles riam durante o experimento.

As descobertas foram publicadas na revista científica The Journal of Neuroscience.

Os autores do estudo concluíram que o riso social pode ser fundamental para a formação, reforço e manutenção dos vínculos sociais entre os humanos. Isso aconteceria porque a endorfina gera relaxamento e prazer, o que se traduziria no desejo de se encontrar de novo com aquelas pessoas.

Segundo os autores, os primatas têm algo parecido, mas, como não se comunicam verbalmente, a liberação de endorfina é mais demorada. Por isso, eles acreditam que a comunicação vocal trouxe uma vantagem enorme para os seres humanos. E, como o riso é contagioso, esse efeito se espalha muito mais, gerando redes sociais bem maiores e complexas.

 


Metade dos pacientes com ansiedade ou depressão tem dor crônica
Comentários Comente

Jairo Bouer

Metade dos adultos que sofrem de ansiedade ou transtornos de humor, como depressão ou transtorno bipolar, também tem dor crônica, segundo um estudo conduzido pela Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, com pacientes de São Paulo.

A análise, feita pela professora Silvia Martins, brasileira que dá aula na Columbia, contou com 5.037 adultos diagnosticados com transtornos de humor ou ansiedade. Entre pacientes com depressão ou transtorno bipolar, 50% apresentam um quadro de dor crônica. Em seguida, aparecem doenças respiratórias (comuns a 30% deles), doenças do coração (10%), artrite (9%) e diabetes (7%), todas elas condições crônicas, também.

Entre os que sofrem de ansiedade, os resultados foram parecidos. E a hipertensão é comum em 23% dos pacientes com ambos os transtornos psiquiátricos. Indivíduos que convivem com mais de uma doença crônica também apresentaram tendência ainda maior a ter ansiedade ou transtornos de humor.

Os resultados, publicados no Journal of Affective Disorders, mostram que as doenças crônicas representam um fardo ainda maior do que se imagina, já que com frequência envolve transtornos mentais.


Você se sente mais jovem do que é? Sua vida sexual agradece
Comentários 1

Jairo Bouer

Você já deve ter ouvido falar que não importa a idade que você tem, mas como você se sente? Pesquisadores canadenses descobriram que essa afirmação faz todo o sentido quando o assunto é sexo. Pessoas que se sentem jovens têm mais desejo e uma vida sexual mais satisfatória, segundo eles.

O estudo, conduzido por uma equipe da Universidade de Waterloo, avaliou informações de 1.170 adultos norte-americanos de 40 a 70 anos, de diferentes orientações sexuais, ao longo de dez anos. E o resultado mostrou que quanto mais próximas de sua idade cronológica as pessoas se sentiam, mais baixa era a qualidade da vida sexual delas.

Os pesquisadores perceberam que o envelhecimento tem um significado que varia muito entre as pessoas. E que a forma como as pessoas encaram esse processo tem um forte impacto na satisfação e no interesse por sexo. Apesar disso, sentir-se velho não altera muito a frequência sexual, segundo os resultados.

A equipe avisa que não levou em conta o quanto a idade dos parceiros interferia na equação. Namorar ou viver com alguém mais jovem pode fazer com que algumas pessoas se sintam rejuvenescidas, enquanto outras se veem mais velhas, por causa da comparação constante.

A descoberta, publicada no periódico Journal of Sex Research, reforça a ideia de que a noção subjetiva que temos sobre a nossa própria idade pode ser tão importante quanto a nossa idade real. Como uma vida sexual satisfatória melhora a qualidade de vida e até a saúde, ter uma visão positiva sobre o envelhecimento pode fazer muita diferença na cama. Quanto mais cedo você mudar seu conceito, melhor.


Estudo associa emergência por álcool e drogas na adolescência e suicídio
Comentários 1

Jairo Bouer

Adolescentes que vão por parar no hospital por causa do uso excessivo de álcool e drogas ou por envolvimento em violência têm risco mais alto de tentar suicídio na década seguinte, segundo um estudo publicado na revista médica The Lancet.

Pesquisadores das universidades College London e de Leeds, no Reino Unido, advertem que, até hoje, a preocupação era voltada apenas para os adolescentes que se automutilam, quando, na verdade, o grupo que merece atenção é muito maior.

A equipe chegou à conclusão após analisar dados de mais de 1 milhão de adolescentes de 10 a 19 anos atendidos nos setores de emergência do país entre 1997 e 2012. Eles checaram o que aconteceu com eles uma década depois.

Entre as garotas, a taxa de mortalidade encontrada foi de 7,3 por 1.000. Para os garotos, de 15,6 por 1.000. Dois terços das mortes foram atribuídas a suicídio, abuso de álcool e drogas ou homicídio.

O número de suicídios foi cinco vezes maior entre os jovens que tinham sido atendidos por causa de ferimentos ligados a violência ou uso de substâncias, em relação aos jovens feridos por acidente.

Os pesquisadores também descobriram que pacientes com histórico de automutilação foram mais propensos a morrer, na década seguinte, tanto por suicídio quanto por abuso de álcool e drogas.

As informações servem de alerta não só para profissionais de saúde, mas também para os pais. Intervir precocemente, oferecendo suporte à saúde mental de jovens que bebem demais ou usam drogas é uma forma de evitar tragédias mais tarde.


Jovens que mentem para os pais tendem a beber mais cedo, segundo pesquisa
Comentários 2

Jairo Bouer

Em geral, os adolescentes que bebem costumam mentir para os pais . Mas um estudo mostra que a tendência a mentir, por si só, também aumenta o risco de o jovem iniciar o consumo de álcool precocemente. As conclusões são de pesquisadores das universidades de Nova York, nos Estados Unidos, e da Higher School of Economics, na Rússia.

Os resultados, publicados no Journal of Adolescence, foram obtidos a partir de uma amostra de mais de 4.000 norte-americanos de 12 e 13 anos de idade, ouvidos com garantia de confidencialidade, e suas respectivas mães, também entrevistadas.

A equipe encontrou uma associação forte entre omitir o que se faz para os pais e iniciar o uso de álcool cedo demais. Mesmo nessa idade, os jovens sabem como evitar serem descobertos. O estudo ainda mostrou que, quando os colegas bebem, os adolescentes também tendem a mentir mais em casa.

Os adolescentes que têm um relacionamento afetuoso e de confiança com os pais apresentaram menor tendência a beber e também a mentir – saber que podem contar com o apoio do pai ou da mãe faz com que eles tenham liberdade para falar sobre esses assuntos. Já com os pais que ficam o tempo todo tentando vigiar os filhos foi o oposto.

Para os autores, pais superprotetores acabam agravando o problema do consumo precoce de álcool, em vez de evitá-lo. Eles sugerem que os pais estabeleçam uma relação de confiança e honestidade com os filhos, para que eles se sintam mais à vontade para contar o que acontece fora de casa.


Seu smartphone pode ser o culpado pela birra do seu filho, segundo estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

O uso exagerado de dispositivos móveis pelas crianças tem deixado muitos pais de cabelo em pé. Mas será que a forma como os adultos utilizam a tecnologia também não tem gerado problemas para os pequenos? Segundo uma pesquisa, crises de choro, birra e hiperatividade são mais frequentes em crianças cujos pais estão sempre no smartphone.

Especialistas das universidades de Michigan e de Illiois, nos Estados Unidos, avaliaram 170 famílias para chegar à conclusão, publicada na edição on-line do periódico Child Development. Pais e mães responderam a perguntas sobre o uso de tecnologia e fizeram uma estimativa sobre quantas vezes costumavam interromper o tempo gasto com os filhos para checar ou responder a alguma mensagem, inclusive nas refeições ou durante atividades rotineiras em que as crianças estavam por perto.

Cerca de metade dos entrevistados (48%) relatou que, num dia típico, param três ou mais vezes de fazer o que estão fazendo com os filhos para checar o smartphone, o computador ou ambos. Para 24%, a média era de duas interrupções, e, para 17%, uma ao dia. Só 11% disseram que nunca paravam para usar algum dispositivo.  O estudo também constatou que as mães foram mais propensas que os pais a achar essa situação problemática.

Mesmo poucas e pequenas interrupções  foram associadas a problemas de comportamento entre as crianças, como hipersensibilidade, irritação, hiperatividade e tendência a choramingar com frequência. Isso se manteve mesmo quando os pesquisadores isolaram fatores como depressão ou nível baixo de escolaridade.

O estudo é pequeno e os próprios pesquisadores advertem que o objetivo deles não foi ligar causa e efeito. Ou seja: ainda é preciso investigar bastante o tema antes de confirmar a hipótese. Os autores observam, por exemplo, que muitos pais podem acabar usando a tecnologia como fuga porque as crianças dão muito trabalho, e isso pode ter interferido nos resultados.

Mas a gente sabe que a atenção que se dá à criança muda ao interagir com a internet. Será que isso também não causa uma certa irritação nos filhos, da mesma forma que um marido ou uma namorada podem ficar chateados quando o parceiro pega o smartphone durante um jantar romântico? A dica dos pesquisadores é reservar alguns horários ao dia para ficar longe da tecnologia. Será que dá?


Será que beber um pouco é mesmo melhor do que não beber?
Comentários 13

Jairo Bouer

Muitos estudos já mostraram que pessoas que consomem pequenas quantidades de álcool todos os dias têm menos risco de doenças do coração quando comparadas às que não bebem nada. Mas, segundo uma revisão de 45 trabalhos sobre o tema, isso não acontece porque a bebida alcoólica tem algum efeito terapêutico.

Os pesquisadores da Universidade de Victoria, no Canadá, responsáveis pela análise, chegaram à conclusão que indivíduos que bebem uma taça de vinho todos os dias muitas vezes mantêm esse hábito conforme envelhecem porque são saudáveis. Mas não são mais saudáveis porque bebem.

Da mesma forma, muitos abstêmios mantêm a condição porque algum problema de saúde ou remédio impede que consumam álcool. O que é bem diferente de achar que não beber pode fazer mal. As conclusões foram descritas no Journal of Studies on Alcohol and Drugs.

Uma outra revisão publicada esta semana revela que uma única taça de vinho por dia é capaz de elevar o risco de uma mulher ter câncer de mama antes da menopausa em 5% e, depois da última menstruação, em 9%. O trabalho envolveu 119 estudos, com um total de 12 milhões de mulheres, e foi financiado pelo Fundo Mundial de Pesquisas sobre Câncer.

Entender os efeitos isolados do álcool sobre a saúde não é fácil, pois quem é moderado na bebida também costuma ser moderado em outros aspectos da vida que impactam no risco de doenças. De qualquer forma, essas duas grandes revisões mostram que é preciso ser um pouco cético ao ouvir que beber um pouco é melhor do que não beber nada.


Cheiro e voz também contam para atrair alguém, diz pesquisa
Comentários 2

Jairo Bouer

Ter um rosto bonito ou um corpo perfeito nem sempre é o suficiente para conquistar alguém. A voz e o perfume também contam muito no jogo da sedução, de acordo com uma revisão de estudos feita por uma equipe de psicólogos da Universidade de Wroclaw, na Polônia.

Os pesquisadores analisaram trabalhos feitos sobre o tema nos últimos 30 anos, e concluíram que o olfato e a audição têm um papel tão importante quanto a visão quando se trata de julgar se alguém é atraente ou não.

Alguns experimentos revisados pela equipe indicam, por exemplo, que só de ouvir alguém falar é possível ter uma ideia do estado emocional e da idade da pessoa, e até mesmo se ela é dominadora ou cooperativa. Alguns trabalhos sugerem que dá pra adivinhar até o peso de alguém pela voz. E o cheiro, sozinho, é capaz de gerar deduções parecidas, de acordo com os pesquisadores.

Mas, ao que tudo indica, os sentidos somados têm um poder muito maior. Uma das pesquisas encontradas mostra, com ajuda de escaneamento cerebral, que a visão e o olfato funcionam em sinergia, produzindo reações muito mais fortes juntos do que isoladamente. Em outras palavras, “o conjunto da obra” é o que importa, segundo os resultados publicados no periódico Frontiers in Psychology.

Os autores lembram que a atração não tem impacto somente nos romances, mas também nas relações profissionais e nas amizades. Embora o objetivo deles seja orientar outros pesquisadores que estudam o assunto, eles servem de alerta para quem dá atenção demais à aparência, para o bem e para o mal. Beleza não é tudo.