PUBLICIDADE

Topo

Para reduzir a gravidez na adolescência!

Jairo Bouer

26/01/2020 09h49

iStock

Já contei algumas vezes um exemplo recente e extremamente bem-sucedido de redução de gravidez na adolescência. No início do século 21, o Reino Unido amargava uma das piores taxas do continente europeu. Nos anos 2000, cerca de 40 em cada 1.000 adolescentes engravidavam. Dez anos depois, essa taxa caiu pela metade. 

Milagre? Acaso? Nada disso! Tudo parte de uma estratégia bem articulada que ficou conhecida como "Dez anos para reduzir a gravidez na adolescência".

O trabalho incluiu uma melhora substancial na qualidade dos programas de educação sexual nas escolas e a distribuição farta e facilitada de métodos contraceptivos (incluindo aí a pílula do dia seguinte).

Adicione-se a esse menu nada básico, um lento e gradual processo de mudança de postura das garotas em relação à maternidade precoce, mediado por um desejo de permanecer mais tempo estudando e de investir mais na construção de um projeto pessoal e profissional.

Veja bem: a estratégia nunca focou em defender abstinência, correndo o risco de estigmatizar jovens que já iniciaram sua vida sexual e de dificultar acesso a conhecimento sobre sexualidade. A ideia era a de informar melhor, oferecer insumos para prevenção e investir em projeto de vida.

Além disso, o fenômeno pode ter tido camadas adicionais, além daquelas que foram alvo das estratégias de redução. Para muitos especialistas, o advento das redes sociais também pode ter tido um impacto nessa queda.  Como? Garotas e garotos mais informados e conectados, mais empoderados, mais alertas às diversas formas de violência (inclusive sexual), e com maior autonomia para decidir sobre sua vida, estariam adotando mais cuidado no sexo.

Quando se pensa em política pública, isso tudo conta. Projetos bem estruturados, articulados, que invistam em informação, insumos, autonomia, educação e futuro melhor, com investimentos garantidos e planos de implementação, de execução, de monitoramento e de avaliação de resultados. Não essa "lenga-lenga" de que "não fazer sexo vai te salvar", "abstinência é o único método 100% seguro" e vamos lá para o "Twitter" falar sobre isso!

De novo, nada contra abstinência, desde que seja uma escolha exclusivamente pessoal. Como política de governo, não dá para engolir! Digo e repito: é inócua, ineficaz e irresponsável (só para ficar nos "i"s mais publicáveis)! Diversas experiências mundo afora mostram que a grande maioria dos jovens que se comprometem com abstinência não conseguem manter sua meta nem mesmo no curto prazo, ficando ainda mais vulneráveis! A Folha deu voz aos jovens na última semana. Veja o que eles disseram aqui.

Pois é, mas o Brasil é mais complexo do que o Reino Unido, muitos vão dizer! Verdade! Um país em quase 1 em cada 5 partos ocorre em mães adolescentes é mais difícil! Isso sem contar que territórios distintos se comportam de forma absolutamente diferente. Gravidez nos Jardins ou Higienópolis –bairros nobres de São Paulo– pode ser acidente de percurso (com taxas de gestação da adolescência próximas às do Reino Unido). Cerca de dez quilômetros de distância, do outro lado dos rios que cortam a cidade, essa taxa ganha uma escala até dez vezes maior!

Opa! Então é só propor abstinência do lado de lá da ponte? Não! Até porque basta conversar um pouco com essas meninas para perceber que boa parte dessas gestações são desejadas, planejadas, almejadas. É a busca de um lugar no mundo, um papel social, uma tentativa de ganhar um status, de colocar no projeto de maternidade precoce (que aliás, para elas não é visto como precoce) no lugar que poderia ser ocupado por outro projeto de vida.

Para mudar isso só mesmo investindo em melhor educação e construção de um futuro melhor, com mais perspectivas de um futuro profissional alcançável por todos.

Para terminar mais uma ideia: um estudo de 2017 da Universidade de Indiana, nos EUA, mostra que um pequeno aumento no salário mínimo poderia reduzir em até 2% a taxa de gravidez na adolescência naquele país.

Em resumo: o que, de fato, pode reduzir gestação na adolescência no Brasil é educação, projeto de vida, melhores salários, autonomia e respeito ao jovem. Que tal trabalhar nesse sentido? Se Brasília insiste em não fazer o dever de casa, que os municípios e estados tomem suas iniciativas!

Sobre o autor

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. Nos últimos 25 anos tem trabalhado com divulgação científica e comunicação em saúde, sexualidade e comportamento nos principais veículos de mídia impressa, digital, rádios e TVs de todo o país.

Sobre o blog

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e opiniões sobre biologia, saúde, sexualidade e comportamento.