Blog do Doutor Jairo Bouer

Arquivo : jovem

Smartphone tem gerado problemas de coluna em jovens, alertam médicos
Comentários Comente

Jairo Bouer

Médicos especializados em cirurgia de coluna têm notado um aumento no número de pacientes com queixas de dores no pescoço e nas costas, provavelmente devido ao uso prolongado de smartphones. De acordo com os profissionais, jovens que teoricamente ainda não deveriam ter esse tipo de problema têm chegado aos consultórios com hérnias de disco e problemas posturais.

A pesquisa, realizada por cirurgiões do Centro Médico Cedars-Sinai, nos Estados Unidos, foi publicada no periódico The Spine Journal e divulgada pela agência de notícias Reuters.

Os especialistas afirmam que a curva natural do pescoço é para trás, mas isso se modifica nos pacientes que ficam o tempo todo olhando para baixo. O problema é que, se uma pessoa está com a coluna ereta, sua cabeça tem um determinado peso, em torno de 10 a 12 quilos. Mas, ao se curvar para frente, o peso aumenta para o equivalente a 27 quilos, o que eleva significativamente a pressão na coluna.

Os autores do trabalho recomendam que as pessoas procurem deixar o smartphone mais perto da altura dos olhos, e acrescentam que usar as duas mãos e os dois polegares tornaria o uso mais confortável para a coluna. Eles também lembram que usuários de laptop devem sempre utilizar um suporte para elevar o monitor.


Violência na mídia aumenta agressividade, confirma estudo multicultural
Comentários Comente

Jairo Bouer

Uma nova pesquisa traz evidências de que a violência na mídia afeta o comportamento, podendo deixar um jovem mais agressivo. Ela envolveu pesquisadores de sete países diferentes, que confirmaram que o impacto independe da cultura.

O trabalho foi coordenado por Craig Anderson, professor de psicologia da Universidade do Estado de Iowa, nos Estados Unidos e contou com 2.154 adolescentes e adultos jovens daquele país e dos seguintes: Austrália, China, Croácia, Alemanha, Japão e Romênia. A idade média era de 21 anos e 38% dos participantes eram do sexo masculino.

Os jovens foram convidados a listar os programas de TV, filmes e videogames preferidos e avaliar o nível de violência em cada um deles. Entrevistas também foram feitas para medir agressividade e empatia em cada um.

Os resultados, publicados na revista Personality and Social Psychology Bulletin, indicam que o consumo de violência por meio da mídia aumentou o risco de um jovem ter comportamento mais agressivo, pensamentos agressivos e nível de empatia mais baixo, em todos os países estudados.

Os pesquisadores também analisaram outros fatores que aumentam esses riscos, como viver em bairro violento, praticar bullying, ter sofrido abuso por questões de gênero ou por parte dos pais e delinquência entre pares. Apenas este último apresentou uma influência mais forte do que a mídia no comportamento agressivo.

Para os autores, as conclusões reforçam a de estudos que têm sido feitos há anos com o mesmo tema. Eles comparam o esforço da indústria em negar esse tipo de associação ao que foi feito pela indústria do tabaco durante décadas, para tentar negar a influência do produto sobre o câncer.


Ficar mal de vez em quando não faz tão mal assim
Comentários Comente

Jairo Bouer

estudoestresse615

Para muitos estudantes, dezembro é o mês do estresse e do mau humor, pois coincide com provas finais. Se esse for o seu caso, anime-se: um estudo sugere que experimentar emoções negativas de vez em quando pode resultar em um melhor desempenho acadêmico. Mas só se for de vez em quando.

O trabalho foi conduzido por psicólogos da Universidade Concórdia, no Canadá, e contou com 187 alunos de primeiro ano de uma grande faculdade, acompanhados durante quatro anos. Aqueles que tinham crises ocasionais apresentaram as melhores notas ao término do curso.

Por outro lado, aqueles que relataram níveis altos de ansiedade e depressão com maior frequência foram os que tiveram as piores notas. Os dados foram publicados no periódico Developmental Psychology.

Para os autores, os resultados demonstram que tanto as emoções positivas quanto as negativas têm seu papel no sucesso. Para quem está bem na maior parte do tempo, os momentos críticos podem até melhorar a motivação. Já se o sofrimento for constante, é fundamental buscar ajuda.


Geração atual tem feito menos sexo, segundo pesquisadores
Comentários Comente

Jairo Bouer

millennials615

Virou clichê ouvir uma pessoa mais velha dizer que os mais novos só querem saber de sexo. Mas, de acordo com um estudo, entre a proporção de jovens sexualmente inativos hoje é maior que na época dos pais deles.

Pesquisadores das universidades de San Diego, Atlantic Florida e Widener analisaram dados de mais de 26.700 norte-americanos para chegar à conclusão de que há mais jovens Millennials sem sexo do que havia na geração anterior, chamada de X.

Segundo os resultados, 15% dos jovens de 20 a 24 anos nascidos na década de 1990 relataram não ter tido parceiros sexuais desde os 18 anos. Na geração anterior, a proporção encontrada foi de apenas 6%.

Para a principal autora, a professora de psicologia Jean Twenge, da Universidade Estadual de San Diego, esse nível de inatividade sexual contrasta com a cultura dos aplicativos de encontros. Assim, enquanto uns estão totalmente sem sexo, outros têm transado com mais parceiros do que nunca.

Se por um lado a tecnologia tem ajudado as pessoas a conhecerem gente nova e com os mesmos interesses, ela também pode ter o efeito oposto, e faz com que muita gente se relacione mais no universo virtual do que no real. E a preocupação com segurança tem muito a ver com isso.

Outros fatores que interferem, segundo a equipe: a facilidade de acesso à pornografia e ao entretenimento instantâneo, o fato de os jovens viverem mais tempo na casa dos pais e de se casarem mais tarde. Os dados foram publicados na revista Archives of Sexual Behavior.


Relações românticas de boa qualidade melhoram saúde do jovem
Comentários Comente

Jairo Bouer

namoro615

Um estudo que acaba de ser publicado pela Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, mostra que ter relacionamentos românticos de qualidade melhora a saúde física e mental de quem entra na idade adulta.

O trabalho, publicado no Journal of Family Psychology, ainda revela que, no outro extremo, as relações de má qualidade têm efeito contrário, ainda mais quando duram muito tempo.

Nos últimos anos, a entrada para a vida adulta tem se estendido cada vez mais. As pessoas têm preferido se casar mais tarde e a educação também tornou-se mais longa. Nesse período, namorados e “ficantes” entram e saem da vida dos jovens.

Os autores comentam que a maioria das pesquisas feitas até hoje nesse campo envolviam casados. Por isso, decidiram investigar melhor o papel dos relacionamentos anteriores ao casamento.

Para isso, a equipe utilizou um grande banco de dados familiares de Iowa e analisou as mudanças de relacionamentos de jovens ao longo de dois anos. Para medir a qualidade, foram levados em conta questões como afeto, apoio, criticismo, bondade, e compromisso.

Os participantes também foram questionados sobre seu comportamento fora dos relacionamentos, e a relação do casal com outras pessoas.

Os pesquisadores descobriram que, quanto mais tempo os jovens permaneciam em relacionamentos de qualidade, ou quanto mais rápido abandonavam as relações ruins, melhores eram seus níveis de saúde. Se você está saindo com alguém, vale a pena fazer uma autorreflexão.


“Bebida batizada” não é lenda urbana, alerta estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

bebidabatizada615

Muitos jovens perdem a paciência quando os pais repetem que não se deve aceitar bebidas de estranhos. Mas o fato é que colocar álcool, sedativos ou outras drogas na bebida de alguém para obter vantagem sexual, dinheiro ou por simples diversão é uma realidade, e não uma lenda urbana, como muita gente pensa.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, decidiram avaliar o fenômeno do “spiked drink” (que pode ser traduzido como “bebida batizada” ou “Boa Noite, Cinderela” por aqui) de perto. No país, uma pesquisa no Google com o termo traz milhares de links com conselhos para se evitar a cilada e até kits para detecção de drogas em drinques.

A equipe avaliou dados de mais de 6.000 estudantes de três universidades diferentes. Ao todo, 462 alunos (ou 7,8% da amostra) reportaram 539 incidentes em que teriam sido drogados ou alcoolizados contra a vontade. Desse total, 83 jovens (ou 1,4%) admitiram que já tinham “batizado” a bebida de alguém ou viram alguém fazendo isso.

As vítimas mais frequentes, segundo o estudo, foram as mulheres, em 89% dos casos. Também foram elas as que amargaram as piores consequências. Elas foram mais propensas a responder que o episódio tinha o abuso sexual como intenção, enquanto eles disseram mais que o objetivo era a simples diversão.

Os resultados foram publicados na revista Psychology of Violence, da Associação Americana de Psicologia. Os autores observam que o estudo tem algumas limitações, como o fato de que não havia como comprovar se a pessoa tinha sido mesmo vítima de uma bebida batizada, ou se ela acreditava nisso, mas, na verdade, tinha consumido um drinque mais forte do que de costume, ou ingerido algum remédio que interage com álcool. Outra questão é que muitas vítimas não se lembram do que aconteceu depois de “apagar”.

Mesmo assim, o estudo mostra que o “spike drinking” não é algo tão raro. Outros trabalhos já resultaram em números semelhantes ou até mais altos – os pesquisadores citam um, feito na Austrália, em que 25% de 805 jovens diziam ter vivenciado uma situação desse tipo. Para eles, não basta orientar possíveis vítimas, mas também possíveis autores, que podem achar a ideia divertida. Assim como ninguém pode ser obrigado a fazer sexo, todo mundo tem o direito de saber o que está consumindo. Gente pode morrer por causa de uma bebida batizada.


Consumismo traz mal-estar aos jovens, mostra estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

CONSUMISMO300A pressão para ter boa aparência e possuir coisas bacanas é prejudicial para muitas crianças e adolescentes, de acordo com uma pesquisa feita por psicólogos da Universidade de Sussex, no Reino Unido.

Os pesquisadores descobriram que, embora muitos jovens tenham a sensação de que adquirir bens materiais vai fazer com que se sintam melhor consigo próprios e conquistem mais amigos, muitas vezes o que acontece é justamente o contrário. O que ocorre, segundo eles, é um ciclo vicioso: o mal-estar leva ao consumismo, que só gera mais insatisfação.

O estudo contou com mais de 1.000 indivíduos de 8 a 14 anos, acompanhados por mais de três anos. E os resultados  foram apresentados em uma conferência anual da Sociedade Britânica de Psicologia.

Uma diferença curiosa, apontada pelos pesquisadores, é que, enquanto sintomas depressivos levam os meninos a ficar mais materialistas, nas meninas o impacto é na preocupação com a aparência.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>