Blog do Doutor Jairo Bouer

Arquivo : sensibilidade

Analgésicos podem não funcionar se você dormiu pouco, sugere pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

Você já sabe que dormir mal afeta a concentração, o humor e pode até levar ao ganho de peso. Agora, um estudo feito em animais indica que a privação de sono não só eleva a sensibilidade à dor como também diminui o efeito de analgésicos comuns e até mesmo da morfina.

O trabalho foi conduzido por pesquisadores do Hospital Infantil de Boston e do Centro Médico Beth Israel, na mesma cidade norte-americana. E a descoberta foi descrita na revista Nature Medicine.

A equipe monitorou os ciclos de sono e a sensibilidade sensorial de um grupo de ratos, que, depois, foram submetidos a privação de sono por meio de entretenimento. Assim como acontece com os humanos, que muitas vezes dormem pouco porque querem ver um filme ou sair com os amigos e precisam acordar cedo no dia seguinte.

Os ratos foram mantidos acordados por mais tempo do que de costume durante cinco dias consecutivos. Nesses períodos, os pesquisadores monitoraram seu cansaço, nível de estresse e sensibilidade à dor perante estímulos quentes, frios ou de pressão. A associação entre dormir pouco e se incomodar mais com estímulos dolorosos foi clara.

Mas o que mais chamou atenção da equipe foi que nem o ibuprofeno, um anti-inflamatório usado como analgésico, e nem mesmo a morfina foram capazes de anular a hipersensibilidade à dor causada pela falta de sono.

Os pesquisadores ressaltam que dormir bem é fundamental para pacientes com dor crônica. Eles acreditam que a descoberta pode abrir caminho para novas abordagens para tratar esses pacientes, que levem em conta o seu sono.


Circuncisão não diminui sensibilidade do pênis, diz pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

penis615

Muita gente questiona se a circuncisão poderia levar a uma redução na sensibilidade do pênis na idade adulta. Segundo um estudo publicado recentemente, isso não acontece.

Para chegar à conclusão, pesquisadores testaram duas hipóteses que justificariam a diferença. A primeira é que a glande, exposta, ficaria menos sensível com o passar do tempo. A segunda é que o prepúcio seria uma área mais mais sensível do que outras partes do pênis.

O estudo, conduzido por uma equipe da Universidade de Queen, no Canadá, aplicou testes sensoriais em 30 homens circuncidados e 32 com o pênis intacto. Todos eram saudáveis e tinham idades entre 18 e 37 anos. O exame envolvia resposta a toque, calor e dor em diferentes partes do membro. Nenhuma das hipóteses foi confirmada, segundo os pesquisadores.

Eles também compararam o nível de sensibilidade do prepúcio com uma área do antebraço e não houve diferença significativa nas respostas. Já outras partes do pênis, como o eixo e a glande, foram mais sensíveis a estímulos de dor que o antebraço, por isso os pesquisadores concluíram que o prepúcio não é a parte mais sensível do membro masculino.

Os participantes ainda tiveram sua função sexual avaliada com medidas variadas (satisfação durante a penetração, orgasmo etc), e as diferenças não foram significativas entre os dois grupos.

Os autores observam, de qualquer forma, que são necessários mais estudos sobre o tema. Os dados foram publicados no The Journal of Urology e divulgados no jornal britânico Daily Mail.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>