Blog do Doutor Jairo Bouer

Arquivo : saúde mental

Xingar alto pode aumentar a força física, mostram experimentos
Comentários Comente

Jairo Bouer

Se você não consegue ficar sem falar palavrão, saiba que agora tem uma boa desculpa para manter seu mau hábito: uma pesquisa mostra que soltar o verbo em alto e bom som pode aumentar a força física.

Este não é o primeiro estudo a observar os benefícios dos xinagmentos para a saúde. Um deles sugeriu que gritar palavrões melhora a tolerância a dor, e outro, que aumentaria a capacidade de aguentar o frio. A teoria dos cientistas é que, ao soltar o verbo, as pessoas ativariam uma reação de “luta ou fuga”, e isso reduziria a sensação de dor.

Algumas doenças tornam as pessoas mais propensas a falar palavrões, como lesões cerebrais e depressão em idosos, bem como demência, encefalite e síndrome de Tourette (conhecida como “tique nervoso”). É por isso que o tema tem sido estudado há bastante tempo.

O pesquisadores da Universidade de Keele, no Reino Unido, fizeram um experimento duplo. Na primeira fase, 29 jovens adultos, de 21 anos de idade, em média, tinham que peladar numa bicicleta ergométrica em alta velocidade e por pouco tempo. Na primeira vez, tinham que repetir uma palavra neutra em voz alta. Na segunda, um palavrão.

Na segunda parte do experimento, 52 participantes com 19 anos de idade, em média, fizeram um teste similar em um aparelho que mede a força das mãos.

Os benefícios dos xingamentos ficaram claros para os pesquisadores. No exercício aeróbico, ajudou os participantes a pedalar com mais força – cerca de 24 watts a mais. E no teste de esforço para as mãos, houve um aumento de 2 kg, em média.

Os resultados foram apresentados na conferência anual da Sociedade Britânica de Psicologia  e divulgada no site Medical News Today. Outros estudos devem ser feitos, no futuro, para entender melhor o que está por trás desse benefício.


Suicídio e automutilação: registros entre crianças mais que dobrou nos EUA
Comentários Comente

Jairo Bouer

O número de crianças e adolescentes atendidos em hospitais infantis por causa de atos ou pensamentos sobre suicídio, bem como  automutilação, mais do que dobrou na última década nos Estados Unidos, segundo uma pesquisa apresentada na conferência anual das Sociedades Acadêmicas de Pediatria, em São Francisco.

Naquele país, estudos anteriores já tinham revelado a tendência. Um levantamento divulgado no ano passado mostrou que a taxa de mortes por suicídio, na faixa dos 10 aos 14 anos de idade,  já tinha superado a de acidentes de trânsito. Mas os novos dados, que incluem ideação suicida e mutilação, expõem a base do iceberg.

A atual pesquisa incluiu dados de 32 hospitais infantis norte-americanos de diferentes partes do país, relativos ao período entre 2008 e 2015, e jovens de 5 a 17 anos. Os pesquisadores encontraram 118.363 registros de atos ou ideação suicida e automutilação no período estudado. A proporção de ocorrências desse tipo, em relação às gerais, passou de 0,67%, em 2008, para 1,79, em 2015.

Mais da metade dos pacientes com pensamentos ou atos suicidas tinham de 15 a 17 anos de idade, enquanto 36,9% tinham de 12 a 14 anos. O dado que mais choca é que 12,7% dos registros referem-se a crianças de 5 a 11 anos.

O aumento mais significativo em relação aos dados anteriores foi observado na faixa de 15 a 17 anos: a variação foi de 0,27 ponto percentual. A primavera e o outuno foram as estações com maior número de casos. E o verão, a que teve menos registros.

No Brasil, segundo reportagem recente da BBC Brasil, a taxa de suicídio entre jovens de 15 a 29 anos aumentou 27,2%. A informação foi revelada no Mapa da Violência 2017, feito a partir de dados deo Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.  Faz sentido que episódios como o da “Baleia Azul” causem preocupação. A saúde mental de crianças e adolescentes precisa ser levada a sério.


Mãe feliz tem menos risco de ter bebê com cólica, sugere pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

O nível de satisfação com o relacionamento e de suporte social que uma mulher recebe pode interferir na chance de seu filho sofrer mais ou menos de cólicas, segundo pesquisadores norte-americanos. Eles encontraram uma associação significativa entre esse incômodo, comum nos primeiros meses de vida, e o estado emocional das mães, em especial as de primeira viagem.

A equipe, da Faculdade de Medicina Penn State, avaliou dados de 3.000 mulheres, de 18 a 35 anos, que tiveram filhos em 78 maternidades da Pensilvânia. Fatores como felicidade no relacionamento, nível de ajuda do parceiro e de outras pessoas foram analisados durante a gestação e um mês após o parto. O trabalho foi financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

Uma parcela de 11,6% das mães entrevistadas relataram que seus bebês tinham cólicas, o que foi definido na pesquisa como choro e agitação por no mínimo três horas ao dia.

Quanto maior era a ansiedade das mães e menor o apoio que elas tinham da sociedade, maior era a propensão a ter filhos com o incômodo. A relação foi encontrada inclusive em mulheres que sofriam de depressão pós-parto ou que não estavam vivendo junto com os pais biológicos dos filhos. As conclusões foram publicadas no periódico Child: Care, Health and Development.

Para os autores do estudo, liderado pelo gastroenterologista pediátrico Chandran Alexander, é provável que os bebês chorem menos quando o pai e a mãe estão felizes. Mas também é possível que mães mais satisfeitas encarem os choros frequentes dos filhos como algo natural, e acabem não reclamando tanto da cólica.

Os pesquisadores também observaram que mães solteiras tiveram uma leve tendência a relatar menos o problema, e eles acreditam que isso se deve ao fato de muitas delas terem contado com mais apoio da família e dos amigos, justamente por não terem parceiro.

Outros trabalhos já haviam associado o estado emocional das mães com a frequência de cólicas dos bebês, mas esse é um tema que ainda precisa ser estudado melhor, já que muitas das estratégias utilizadas para aliviar o incômodo dos bebês não têm comprovação. A própria equipe planeja, agora, pesquisar se o bem-estar das mães também pode interferir em outros problemas que são associados às cólicas, como distúrbios gastrointestinais e alergias alimentares, à medida que as crianças envelhecem.


Efeito placebo também funciona para coração partido, mostra estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

Você está com o coração partido porque acabou de sair de um relacionamento? Faça algo que você acredita ser útil para aliviar sua dor emocional. Qualquer coisa. De acordo com uma pesquisa recém-publicada, o efeito placebo pode influenciar regiões cerebrais associadas à regulação emocional e, como consequência, diminuir a percepção do sofrimento.

Rompimentos amorosos costumam ser experiências extremamente dolorosas, e funcionam como gatilho para problemas psicológicos e até suicídio. Segundo os autores do estudo, da Universidade de Colorado Boulder, nos Estados Unidos, esse tipo de sofrimento está associado a um risco 20 vezes maior de depressão.

Como há evidências de resultados positivos do placebo para diversas doenças físicas, a equipe decidiu avaliar se a crença em algo que pudesse ajudar a superar um rompimento teria efeito também. Para isso, os pesquisadores selecionaram 40 voluntários que tinham sido rejeitados pelos parceiros até seis meses antes da abordagem.

Os participantes foram convidados a ir ao laboratório levando a foto do ex, ou da ex, e também a de um amigo do mesmo sexo. Enquanto passavam por um exame de ressonância magnética funcional, les tinham que olhar a foto e contar como tinha sido a separação. Em seguida, tinham que olhar a foto do amigo. Por último, ainda foram submetidos a um estímulo doloroso, um toque quente no antebraço. Em todos os casos, eles tinham que dizer como se sentiam, numa escala de 1 (muito mal) a 5 (muito bem).

A primeira constatação do estudo é que as regiões do cérebro ativadas pela dor física e pela emocional foram as mesmas. Ou seja: levar um fora causa uma dor real.

Em seguida, todos foram convidados a usar um spray nasal. Para metade do grupo, os pesquisadores disseram que era apenas uma solução salina. Já a outra metade ouviu que aquilo era um analgésico poderoso para combater dores emocionais.

De volta à ressonância, os participantes voltaram a ver as fotos dos ex e, de novo, foram submetidos ao estímulo doloroso no braço. O grupo que recebeu o suposto analgésico não apenas sentiu menos dor física, como se sentiu melhor emocionalmente, e a resposta do cérebro se modificou. As áreas envolvidas na modulação de emoções e de substâncias ligadas ao bem-estar tiveram atividade aumentada, enquanto a área associada à dor ficou mais fraca.

O estudo foi financiado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental norte-americano, com apoio adicional da Fundação Nacional de Ciência, na Suíça, e os resultados foram publicados no Journal of Neuroscience.


Cultivar emoções positivas pode ter impacto na saúde de soropositivos
Comentários Comente

Jairo Bouer

Um estudo mostra que ensinar técnicas para ajudar indivíduos recém-diagnosticados com o HIV a experimentar mais emoções positivas faz com que a carga viral deles diminua, bem como a necessidade de usar antidepressivos.

Segundo os pesquisadores do centro de medicina integrativa da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, a conclusão pode ser ampliada para outras pessoas que lidam com doenças crônicas graves, como cuidadores de indivíduos com Alzheimer e pacientes com câncer de mama metastásico.

O trabalho, publicado no Journal of Consulting and Clinical Psychology, contou com 80 soropositivos (principalmente homens), que tiveram cinco sessões semanais para aprender como experimentar emoções positivas. Outros 79 indivíduos do grupo controle não passaram pela intervenção.

A equipe utilizou algumas técnicas baseadas em evidências, como fazer um diário para agradecer pelas coisas boas que se tem, reconhecer um evento positivo que tenha acontecido a cada dia e escrever sobre ele, listar uma demonstração de força interior, definir uma pequena meta e anotar os progressos, praticar um pequeno ato de bondade a cada dia e pelo menos 10 minutos de meditação diariamente, com foco na respiração.

Quinze meses após a intervenção, 91% dos participantes tiveram a carga viral zerada, sendo que no grupo controle apenas 76% alcançaram o mesmo resultado. Os pesquisadores acreditam que o trabalho com as emoções tenha ajudado os pacientes a aderir melhor ao tratamento, o que beneficiou o sistema imunológico dos pacientes. Quem trabalha com saúde pública sabe que essa diferença também tem impacto na prevenção do HIV.

As técnicas ainda resultaram em melhora na saúde mental. No grupo da intervenção, apenas 17% usavam antidepressivos no fim do estudo, enquanto no grupo controle a proporção era de 35%. E os indivíduos que exercitaram as emoções positivas também relataram ter menos pensamentos repetitivos sobre o HIV ao longo do dia.


Se é difícil não ser afetado por tragédias, sem dormir é mais ainda
Comentários Comente

Jairo Bouer

Dormir pouco faz com que as tarefas simples do dia a dia virem um verdadeiro sacrifício. Mas em pessoas com ansiedade e depressão, que com frequência têm problemas de sono, o problema é muito pior.

Pesquisadores da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, descobriram o que pode estar por trás disso: é que uma área específica do cérebro, chamada de córtex cingulado anterior dorsal, precisa trabalhar mais para tentar modificar respostas emocionais negativas quando a pessoa não dorme bem.

A pesquisa, publicada na revista Depression and Anxiety, contou com exames de ressonância magnética funcional para medir a atividade em diferentes regiões do cérebro enquanto os participantes eram desafiados com uma tarefa que exigia regulação emocional. Eles eram expostos a imagens perturbadoras, como de guerra ou acidentes, e tinham que fazer um esforço para não se impressionar, ou reavaliar o fato para tentar achar um enfoque positivo. Por exemplo: ao ver uma mulher com o rosto machucado, tinham que tentar imaginar que ela era uma atriz talentosa interpretando um papel.

Os 78 participantes, que tinham 18 a 65 anos de idade, haviam sido diagnosticados com  transtorno de ansiedade, depressão ou ambos. Eles preencheram questionários e usaram um dispositivo, por seis noites, para detectar quanto tempo passavam acordados. A conclusão é que a maioria apresentava insônia.

Pessoas com depressão ou ansiedade costumam ter como característica uma negatividade crônica, também chamada de ruminação negativa. Por isso, tentar achar um lado positivo para imagens de violência demanda um esforço grande, segundo os pesquisadores. Mas, para quem não dorme bem, o trabalho é ainda maior.

Os participantes cujos dispositivos demonstraram baixa qualidade de sono apresentaram maior atividade na região do cérebro analisada. Ou seja: foi preciso um esforço maior para reavaliar as imagens com um prisma positivo. A conclusão é que o sono desempenha um papel importante para regular emoções negativas e, por isso, esse aspecto deve ser tratado com seriedade por quem sofre de ansiedade ou depressão. E dormir bem também ajuda a evitar esses transtornos.


Violência na mídia aumenta agressividade, confirma estudo multicultural
Comentários Comente

Jairo Bouer

Uma nova pesquisa traz evidências de que a violência na mídia afeta o comportamento, podendo deixar um jovem mais agressivo. Ela envolveu pesquisadores de sete países diferentes, que confirmaram que o impacto independe da cultura.

O trabalho foi coordenado por Craig Anderson, professor de psicologia da Universidade do Estado de Iowa, nos Estados Unidos e contou com 2.154 adolescentes e adultos jovens daquele país e dos seguintes: Austrália, China, Croácia, Alemanha, Japão e Romênia. A idade média era de 21 anos e 38% dos participantes eram do sexo masculino.

Os jovens foram convidados a listar os programas de TV, filmes e videogames preferidos e avaliar o nível de violência em cada um deles. Entrevistas também foram feitas para medir agressividade e empatia em cada um.

Os resultados, publicados na revista Personality and Social Psychology Bulletin, indicam que o consumo de violência por meio da mídia aumentou o risco de um jovem ter comportamento mais agressivo, pensamentos agressivos e nível de empatia mais baixo, em todos os países estudados.

Os pesquisadores também analisaram outros fatores que aumentam esses riscos, como viver em bairro violento, praticar bullying, ter sofrido abuso por questões de gênero ou por parte dos pais e delinquência entre pares. Apenas este último apresentou uma influência mais forte do que a mídia no comportamento agressivo.

Para os autores, as conclusões reforçam a de estudos que têm sido feitos há anos com o mesmo tema. Eles comparam o esforço da indústria em negar esse tipo de associação ao que foi feito pela indústria do tabaco durante décadas, para tentar negar a influência do produto sobre o câncer.


Jovens com doença celíaca são mais propensas a ter anorexia
Comentários Comente

Jairo Bouer

Uma pesquisa indica que receber o diagnóstico de doença celíaca, a intolerância permanente ao glúten, aumenta significativamente o risco de uma mulher ter anorexia nervosa, um transtorno alimentar grave que pode até levar à morte por desnutrição.

A doença celíaca afeta 1 em 141 pessoas, e tende a ser mais prevalente em mulheres. O único tratamento para a intolerância é evitar todos os alimentos que contêm glúten, como trigo, pão, macarrão e cevada. Diarreia, vômito ou gases após o consumo desses itens estão entre os sintomas.

O estudo, publicado na revista Pediatrics e divulgado no site Medical News Today, avaliou 17.959 mulheres suecas diagnosticadas com a doença entre 1969 e 2008. O grupo controle continha 89.379 mulheres sem doença celíaca.

Os pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, descobriram que mulheres com mais de 20 anos com doença celíaca foram duas vezes mais propensas a apresentar, também, anorexia, em comparação com as que não tinham intolerância permanente ao glúten.

Garotas que receberam o diagnóstico de doença celíaca antes dos 19 anos foram 4,5 vezes mais propensas a ter anorexia. Os resultados se mantiveram mesmo depois de ajustados fatores como diabetes tipo 1, que também pode elevar o risco do transtorno alimentar.

Os pesquisadores dizem que são necessários mais estudos sobre o tema, já que este trabalho não analisou causa e efeito. Segundo eles, é possível que muitas jovens diagnosticadas inicialmente com anorexia tinham, na verdade, doença celíaca, ou vice-versa. Mas também pode ser que o foco excessivo na dieta que os celíacos são obrigados a ter pode deflagrar o transtorno alimentar.


Ouvir a natureza ajuda mesmo a relaxar, comprova experimento
Comentários Comente

Jairo Bouer

A semana mal começou e você já está cansado e ansioso? Experimente passar o próximo fim de semana em contato com a natureza. Um estudo confirmou que o som de um riacho ou do vento batendo entre as árvores realmente ajuda a relaxar o corpo e a mente em fases de estresse.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina Brighton e Sussex, no Reino Unido, conseguiram descobrir como isso acontece, com ajuda de artistas que prepararam audiovisuais com sons da natureza e de ambientes artificiais. Diversas pessoas foram submetidas a exames enquanto eram expostos às simulações.

Com testes para medir alterações na frequência cardíaca e o exame de ressonância magnética, os pesquisadores descobriram que os ruídos afetavam áreas do cérebro que costumam ser ativadas enquanto descansamos de formas diferentes.

Ao ouvir sons naturais, a conectividade cerebral refletia um foco de atenção dirigido para fora. Com sons artificiais, o foco de atenção era dirigido para dentro, assim como acontece em estados de ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático. Os testes também mostraram que o relaxamento corporal era bem maior na simulação de ambientes naturais.

O curioso é que o estado dos participantes interferiu nos resultados. Aqueles que apresentaram maiores níveis de estresse antes de o experimento começar foram os que mais demonstraram relaxamento corporal ao ouvir sons da natureza. Entre os que já estavam relaxados, houve um ligeiro aumento no estresse. Os resultados foram publicados no periódico Nature Scientific Reports.


Bullying pode levar a doenças crônicas na vida adulta, dizem pesquisadores
Comentários Comente

Jairo Bouer

Ser alvo frequente de bullying na infância pode tornar um adulto mais propenso a enfermidades crônicas como diabetes e doenças do coração, alertam pesquisadores da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, em artigo publicado no periódico Harvard Review of Psychiatry.

Diversos estudos já apontaram uma relação clara entre o bullying e transtornos mentais, como depressão, ansiedade e até risco mais alto de suicídio. A equipe, no entanto, acrescenta que é preciso prestar atenção, também, na saúde física de indivíduos que passaram por isso. Muitas crianças apresentam sintomas sem causa aparente, e isso pode até ser um alerta para os pais de que algo não vai bem na escola.

Sofrer intimidações ou ser isolado da turma é uma enorme fonte estresse para a criança. Se acontece uma vez ou outra, as consequências podem ser superadas. Mas quando o problema é frequente, a criança entra em um estado de estresse crônico, como se o organismo estivesse sempre pronto para lutar ou fugir.

O impacto desse estado é cumulativo, de acordo com os pesquisadores, e se traduz em alterações nas respostas inflamatórias, hormonais e metabólicas. Isso é o que tornaria a vítima mais propensa a depressão, diabetes e doenças do coração.

Enfrentar situações difíceis na infância também pode afetar a maneira como o corpo responde a futuros estressores, o que tem enorme impacto na vida de um indivíduo.

Os pesquisadores afirmam que são necessários mais estudos para comprovar esta relação de causa-efeito. Com isso, eles acreditam que será possível desenvolver estratégias para prevenir as consequências de longo prazo do bullying. Enquanto isso não acontece, é importante que os pais e as escolas fiquem atentos ao problema e interfiram quando necessário.