Blog do Doutor Jairo Bouer

Arquivo : paternidade

Conflito trabalho-família também causa sofrimento aos homens
Comentários Comente

Jairo Bouer

Entre mulheres que trabalham, é comum a angústia por não poder se doar mais para a família, nem para a carreira. E ainda ter de fazer o possível para separar uma coisa da outra. Mas se engana quem acha que esse sofrimento é exclusivo delas. De acordo com uma pesquisa publicada na revista da Associação Americana de Psicologia, os homens têm conflitos semelhantes, só não costumam se manifestar sobre o assunto.

A conclusão é de pesquisadores da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, que levaram anos para analisar mais de 350 estudos realizados nas últimas três décadas, envolvendo mais de 250 mil pessoas. Eles perceberam que, embora as pessoas, em geral, entendam que é tranquilo para os homens se dedicar mais ao trabalho que para a família, a equipe descobriu que ambos têm nível muito parecido de sofrimento.

Alguns dos trabalhos indicaram que os homens não se sentem à vontade para discutir esses conflitos, a não ser de forma confidencial. Isso acontece porque eles têm medo de que isso seja interpretado como um sinal de fragilidade, ou que tenha uma repercussão negativa na carreira. Afinal, alguns empregadores podem achar que um funcionário muito “família” não tem condições de assumir um cargo com mais responsabilidades e viagens, por exemplo – algo que acontece com muitas mulheres.

De algumas décadas para cá, tem aumentado o número de pais que assumem o cuidado dos filhos e as tarefas domésticas, embora as mulheres ainda acumulem a maior parte do trabalho. Reconhecer que os homens também são penalizados pode abrir caminho para que, no futuro, eles tenham direito a licenças-paternidade ou horários mais flexíveis, o que, no final das contas, vai beneficiar também as mulheres e as crianças.


Depressão pré-natal não é incomum em homens, mostra pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

gravidez300A transição para a paternidade nem sempre é fácil, e não é só a mulher que sofre o impacto. Um estudo mostra que alguns homens apresentam sintomas de depressão pré-natal, ou seja, antes do nascimento do bebê. Os resultados foram publicados no American Journal of Men`s Health.

Pesquisadores da Universidade McGill, no Canadá, acompanharam 622 homens, em Quebec, por um período de um ano e meio. Eles responderam a perguntas sobre hábitos, sono, humor, qualidade do relacionamento e preocupação com dinheiro, entre outros temas.

A equipe descobriu que 13,3% dos futuros papais apresentaram níveis altos de sintomas depressivos durante a gestação do primeiro filho. Aqueles que dormiam pouco eram os mais propensos a ter o problema.

Neste estudo, os homens não foram acompanhados após o nascimento dos filhos. Mas, uma vez que a depressão pré-natal é um fator de risco para a depressão pós-parto, é de se prever que muitos deles continuaram com os sintomas após vivarem pais de fato.

Sentir uma certa ansiedade devido à chegada do primeiro filho é natural, já que a paternidade envolve uma série de novas responsabilidades. Mas é importante que os casais procurem ajuda caso os sintomas se intensifiquem, já que a depressão dos pais pode ter impacto no desenvolvimento da criança.


Relação mais igualitária beneficia o sexo do casal, segundo pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

PAI300Se você é  casada, tem filhos e gostaria de ter uma vida sexual mais satisfatória, coloque seu marido para cuidar das crianças. Pelo menos é o que aconselha um grupo de pesquisadores da Universidade do Estado da Geórgia, nos EUA.

Eles descobriram que, quando os homens dividem as tarefas relacionadas aos filhos com as mulheres, os casais tendem a ter mais satisfação no relacionamento e na vida sexual.

O trabalho, apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Sociologia, incluiu dados de 900 casais heterossexuais. Os dados foram divulgados no jornal britânico Daily Mail.

Os pesquisadores perceberam que nos casos em que a mulher é responsável pela maior parte, ou mesmo por todo cuidado com a criança – o que não é incomum – tanto a esposa quanto o marido relatam uma qualidade mais baixa do sexo.

O curioso é que, nas famílias em que os homens assumiam a maior parte das responsabilidades em relação à criança, os pesquisadores não encontraram essa relação. Ou seja: quando é o pai quem passa a maior parte do tempo cuidado dos filhos, o prejuízo para a vida sexual do casal é bem menor, ou então  inexistente.


Homem sofre alteração hormonal antes de virar pai, diz estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

PAIS300Um estudo mostra que homens apresentam alterações hormonais pouco antes de ter filhos. Eles têm seus níveis de testosterona e estradiol reduzidos enquanto suas parceiras estão grávidas, de acordo com trabalho da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.

Outros estudos já haviam indicado que os homens apresentam mudanças hormonais assim que seus filhos nascem. A pesquisa atual é a primeira a mostrar que isso acontece um pouco antes, como se houvesse uma transição para a paternidade.

Segundo o principal autor do estudo, o professor de psicologia Robin Edelstein, essas alterações hormonais podem ter implicações importantes para o comportamento dos homens, assim como ocorre com as mulheres grávidas.

Para chegar à conclusão, Edelstein e sua equipe examinaram os hormônios de 29 homens e mulheres prestes a ter o primeiro filho. Os participantes tinham de 18 a 45 anos, e as amostras foram colhidas quatro vezes durante o pré-natal.

Enquanto os homens apenas apresentaram redução nos níveis de dois hormônios, as mulheres apresentaram aumentos significativos na testosterona (ligado à agressividade), no estradiol (associado a cuidado e união), na progesterona ( associado à proximidade social e ao comportamento materno) e também no cortisol (o hormônio do estresse).

Os pesquisadores advertem, no entanto, que são necessárias mais pesquisas para checar se as alterações hormonais verificadas nos homens foram resultado de fatores como o envelhecimento ou se realmente têm a ver com a paternidade. Se for a segunda opção, os futuros papais vão ter reais motivos para dizer que, de certa forma, também ficam “grávidos”.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>