Blog do Doutor Jairo Bouer

Arquivo : adolescente

Pesquisa associa exposição a pornografia e início sexual precoce
Comentários Comente

Jairo Bouer

Jovens que são expostos muito cedo a conteúdo pornográfico explícito são mais propensos a se envolver em comportamentos sexuais de risco precocemente. A conclusão é de um estudo apresentado esta semana na conferência anual da Sociedade Britânica de Psicologia.

Um total de 73 adultos com idades entre 18 e 25 anos participaram do estudo, sendo 42 homens e 31 mulheres. Eles responderam a questionários online sobre hábitos de consumo de pornografia e comportamento sexual. Com a internet e as tecnologias móveis, hoje ficou muito mais fácil para um adolescente acessar vídeos de sexo explícito.

A análise mostrou que os jovens expostos cedo a conteúdo pornográfico foram mais propensos a adotar comportamentos sexuais de risco mais cedo, o que significa transar sem camisinha e sem adotar outros métodos contraceptivos.

Os integrantes da pesquisa relataram ter sido expostos a material explícito já aos 12 anos de idade, em média, sendo que os comportamentos sexuais tiveram início em torno de um ano depois. A exposição contínua a esse tipo de conteúdo também indicou uma tendência maior, entre as garotas, a ter mais parceiros sexuais.

Os autores do trabalho, da Universidade de Buckingham, lembram que jovens de 15 a 24 anos estão entre a parcela da população mais exposta a infecções sexualmente transmissíveis no Reino Unido atualmente, uma realidade semelhante à brasileira.


Estudo mostra como crimes afetam desempenho de jovens na escola
Comentários Comente

Jairo Bouer

Diversos estudos têm mostrado como viver em bairros com altos níveis de criminalidade pode interferir no desempenho das crianças na escola. Um novo trabalho sugere que a elevação do cortisol, o hormônio do estresse, bem como alterações de sono provocadas por incidentes violentos podem explicar essa associação.

Pesquisadores das universidades de Northwestern, Nova York e DePaul, nos Estados Unidos, descobriram que ocorrências violentas alteram os padrões de sono das crianças que vivem nos bairros afetados. Isso tem como consequência o aumento dos níveis de cortisol, hormônio que já demonstrou, em diversas pesquisas anteriores, ser prejudicial à performance acadêmica. Essa seria a explicação biológica para esse fenômeno social observado em cidades com alta incidência de crimes.

Para chegar às conclusões, eles acompanharam 82 jovens de 11 a 18 anos que frequentavam escolas públicas com uma realidade socioeconômica e étnica diversa. Os adolescentes preencheram diários, utilizaram aparelhos para medição dos padrões de sono e tiveram amostras de saliva coletadas três vezes ao dia para aferição do cortisol. Os pesquisadores também foram atrás das ocorrências policiais nos bairros em que os estudantes viviam.

A equipe conseguiu comparar a qualidade do sono dos jovens nas noites após o registro de um crime violento e naquelas em que nenhuma ocorrência era registrada. Após um episódio violento, o total de horas dormidas diminuiu bastante, e os níveis de cortisol aumentaram logo em seguida. O impacto foi alto após casos de homicídio, moderado em episódios de estupro ou ataque e inexistente em casos de roubo.

O estudo, que vai sair no periódico Child Development, faz pensar nos milhares de jovens de bairros violentos no Brasil, em perdem aulas quase todos os dias por causa do conflito entre policiais e traficantes. Sem a chance de se sair bem nos estudos, terão ainda menos oportunidades para deixar o ambiente em que vivem.


Jovens de 19 anos se mexem tão pouco quanto quem tem 60 anos
Comentários Comente

Jairo Bouer

Jovens de 19 anos de idade apresentam o mesmo nível de sedentarismo de pessoas de 60 anos, mostra um estudo feito nos Estados Unidos que contou com dados de mais de 12.500 indivíduos. O trabalho, realizado por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, mostra que a prática de atividade física entre crianças e adolescentes está bem abaixo do ideal.

Foram utilizados dados de uma grande pesquisa nacional que monitorou o nível de atividade dos participantes durante sete dias consecutivos com ajuda de dispositivos móveis que eram retirados somente na hora de dormir e de tomar banho. Eles foram divididos em cinco grupos, de acordo com a faixa etária: crianças (de 6 a 11 anos), adolescentes (de 12 a 19 anos), jovens adultos (de 20 a 29 anos), adultos de meia-idade (de 31 a 59 anos) e adultos mais velhos (de 60 a 84 anos). Quase metade deles, ou 49%, eram do sexo masculino.

O único aumento na frequência e intensidade de atividade física foi identificado no grupo de 20 a 29 anos. Em relação aos mais jovens, eles tendem a se movimentar de manhã cedo, algo que os pesquisadores acreditam estar ligado ao início do trabalho em período integral. Já as crianças só se exercitam no período da tarde, segundo o levantamento.

Em praticamente todas as faixas etárias, a atividade física foi mais frequente e teve intensidade maior entre os homens. Porém, após a meia-idade, esses níveis caem drasticamente em relação às mulheres, e eles passam a ser mais sedentários do que elas.

As descobertas, publicadas na revista Preventive Medicine, ajudam a explicar a crescente epidemia de obesidade entre crianças e adolescentes. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda pelo menos 60 minutos de atividade física moderada a vigorosa por dia para crianças de 5 a 17 anos. Mas, segundo o estudo, a orientação não é seguida por mais de 25% dos meninos e 50% das meninas de 6 a 11 anos. Nem por mais de 50% dos garotos e 75% das garotas de 12 a 19 anos.

Os autores sugerem que as campanhas não devem apenas estimular a prática regular de exercícios, como também que se espalhe essas atividades ao longo do dia. Vale lembrar que, além de afastar o risco de doenças, suar a camisa favorece o aprendizado e a memória.


Jovens que mentem para os pais tendem a beber mais cedo, segundo pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

Em geral, os adolescentes que bebem costumam mentir para os pais . Mas um estudo mostra que a tendência a mentir, por si só, também aumenta o risco de o jovem iniciar o consumo de álcool precocemente. As conclusões são de pesquisadores das universidades de Nova York, nos Estados Unidos, e da Higher School of Economics, na Rússia.

Os resultados, publicados no Journal of Adolescence, foram obtidos a partir de uma amostra de mais de 4.000 norte-americanos de 12 e 13 anos de idade, ouvidos com garantia de confidencialidade, e suas respectivas mães, também entrevistadas.

A equipe encontrou uma associação forte entre omitir o que se faz para os pais e iniciar o uso de álcool cedo demais. Mesmo nessa idade, os jovens sabem como evitar serem descobertos. O estudo ainda mostrou que, quando os colegas bebem, os adolescentes também tendem a mentir mais em casa.

Os adolescentes que têm um relacionamento afetuoso e de confiança com os pais apresentaram menor tendência a beber e também a mentir – saber que podem contar com o apoio do pai ou da mãe faz com que eles tenham liberdade para falar sobre esses assuntos. Já com os pais que ficam o tempo todo tentando vigiar os filhos foi o oposto.

Para os autores, pais superprotetores acabam agravando o problema do consumo precoce de álcool, em vez de evitá-lo. Eles sugerem que os pais estabeleçam uma relação de confiança e honestidade com os filhos, para que eles se sintam mais à vontade para contar o que acontece fora de casa.


Suicídio e automutilação: registros entre crianças mais que dobrou nos EUA
Comentários Comente

Jairo Bouer

O número de crianças e adolescentes atendidos em hospitais infantis por causa de atos ou pensamentos sobre suicídio, bem como  automutilação, mais do que dobrou na última década nos Estados Unidos, segundo uma pesquisa apresentada na conferência anual das Sociedades Acadêmicas de Pediatria, em São Francisco.

Naquele país, estudos anteriores já tinham revelado a tendência. Um levantamento divulgado no ano passado mostrou que a taxa de mortes por suicídio, na faixa dos 10 aos 14 anos de idade,  já tinha superado a de acidentes de trânsito. Mas os novos dados, que incluem ideação suicida e mutilação, expõem a base do iceberg.

A atual pesquisa incluiu dados de 32 hospitais infantis norte-americanos de diferentes partes do país, relativos ao período entre 2008 e 2015, e jovens de 5 a 17 anos. Os pesquisadores encontraram 118.363 registros de atos ou ideação suicida e automutilação no período estudado. A proporção de ocorrências desse tipo, em relação às gerais, passou de 0,67%, em 2008, para 1,79, em 2015.

Mais da metade dos pacientes com pensamentos ou atos suicidas tinham de 15 a 17 anos de idade, enquanto 36,9% tinham de 12 a 14 anos. O dado que mais choca é que 12,7% dos registros referem-se a crianças de 5 a 11 anos.

O aumento mais significativo em relação aos dados anteriores foi observado na faixa de 15 a 17 anos: a variação foi de 0,27 ponto percentual. A primavera e o outuno foram as estações com maior número de casos. E o verão, a que teve menos registros.

No Brasil, segundo reportagem recente da BBC Brasil, a taxa de suicídio entre jovens de 15 a 29 anos aumentou 27,2%. A informação foi revelada no Mapa da Violência 2017, feito a partir de dados deo Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.  Faz sentido que episódios como o da “Baleia Azul” causem preocupação. A saúde mental de crianças e adolescentes precisa ser levada a sério.


Cerca de 1 em 6 jovens costumam dar um tempo no uso de mídias sociais
Comentários Comente

Jairo Bouer

Muitos pais de adolescentes adorariam ver os filhos se concentrarem tanto nas redes sociais e tão pouco nos estudos e em outras atividades. Esta pesquisa pode deixá-los um pouco mais tranquilos: cerca de 58% dos jovens norte-americanos têm feito pausas voluntárias para ficar um tempo longe das plataformas, porque eles próprios percebem que o excesso faz mal.

O levantamento foi feito pela agência de notícias Associated Press (AP) em parceria com o centro de pesquisas Norc, da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. A conclusão foi baseada em entrevistas com 790 adolescentes de 13 a 17 anos.

Entre os jovens que fizeram essas pausas, 65% fizeram isso voluntariamente. Do total, 24% responderam que o motivo era o fato de estarem cansados de conflitos. Vinte por cento responderam que estavam cansados da obrigação de saber tudo o que está acontecendo. E 8% relataram que as mídias sociais estavam prejudicando seu desempenho na escola ou no trabalho.

Os garotos foram mais propensos a fazer pausas mais longas, sendo que 36% ficavam duas semanas ou mais sem acessar as mídias sociais, enquanto 22% das meninas ficaram esse mesmo tempo longe das plataformas.

O estudo também mostrou que os jovens de lares com menor rendimento são mais propensos a querer dar esses tempos, e suas pausas são mais longas que as de adolescentes de famílias de renda mais alta.

O principal motivo das pausas involuntárias foi a decisão dos pais de tirar os aparelhos dos filhos (38%). Em seguida aparecem as perdas e roubos (17%).

Quem deu um tempo por conta própria relatou ter se sentido melhor com a experiência. Já quem teve o perdido ou tirado dos pais afirmaram ter sentido muita ansiedade e a sensação de estar perdendo algum acontecimento importante.

Fazer essas pausas por conta própria é uma atitude saudável e mostra que esses jovens têm domínio sobre o hábito. Quem não consegue ficar nem um dia sem acessar as redes talvez esteja precisando de ajuda…


Bullies e suas vítimas são mais encanados com o corpo, diz pesquisa
Comentários Comente

Jairo Bouer

Um estudo realizado no Reino Unido sugere que jovens que costumam intimidar os colegas na escola, assim como as vítimas do bullying, são mais encanados com o peso do que outros adolescentes.

Segundo pesquisadores do departamento de psicologia da Universidade de Warwick, 42% dos bullies, ou seja, aqueles que gostam de humilhar os colegas, têm uma preocupação excessiva em perder peso ou ter mais músculos. Entre as vítimas, a proporção é de 55%, e, entre os que intimidam e também são intimidados, chega a 57%.  Já entre os adolescentes sem qualquer envolvimento com bullying, 35%  têm essa obsessão.

A equipe contou com dados de 2.800 adolescentes britânicos, que descreveram suas experiências com bullying e também falaram sobre seus pares. Ao todo, 800 deles tinham envolvimento com o problema, amostra que depois foi testada em relação a hábitos alimentares, atividade física, autoestima, bem-estar e autoimagem corporal.

Os pesquisadores acreditam que indivíduos envolvidos em bullying são mais propensos a desenvolver transtornos alimentares, como bulimia, anorexia ou vigorexia (obsessão em ganhar músculos). As consequências desses transtornos podem ser graves, para não falar nos danos causados pelas humilhações constantes. Os autores recomendam que pais e especialistas que lidam com esses adolescentes fiquem atentos à tendência.

Os resultados, publicados no International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, mostram que esses jovens entendem que ser gordo ou magro demais pode levar ao isolamento, e que, para dominar o grupo, eles devem não só ter um comportamento intimidador, como também ser mais atraentes fisicamente.


Filtros nem sempre protegem jovens de conteúdo impróprio
Comentários Comente

Jairo Bouer

Um estudo realizado no Reino Unido mostra que usar filtros de internet para proteger crianças e adolescentes nem sempre os impede de ter acesso a conteúdos pornográficos ou violentos. Muitas vezes, eles chegam a esses vídeos pelos aplicativos dos smartphones.

Pesquisadores da Universidade de Oxford analisaram entrevistas com 515 jovens de 12 a 15 anos, das quais um terço tinha restrições na internet instaladas pelos pais no computador.

Eles descobriram que um em cada quatro desses jovens que tinham filtros já acessou vídeos com conteúdo indevido, e quase 14% foram abordados por um estranho que tentava se tornar um amigo.

Entre os entrevistados que não tinham esses filtros instalados no computador, a proporção de acesso a conteúdo impróprio para a idade foi de 14,5% Os resultados foram publicados no Journal of Pediatrics.

Os pesquisadores ressaltam que os pais devem orientar os adolescentes desde cedo sobre o assunto, para garantir sua segurança e evitar que tenham acesso a imagens que podem assustar ou perturbá-los. E é bom lembrar de instalar os filtros também nos celulares, embora seja mais difícil controlar o que chega por aplicativos como o WhatsApp, por exemplo.

Estudos mostram que o número de horas que as crianças passam on-line passou de oito para quase 19 horas por semana. As informações são do jornal britânico Daily Mail.


20% dos jovens acessam mídias sociais no meio da noite, diz estudo
Comentários Comente

Jairo Bouer

joveminternet615

Um em cada cinco jovens acorda com frequência no meio da noite para checar ou enviar mensagens pelas mídias sociais, mostra uma pesquisa publicada no periódico Journal of Youth Studies. Essa atividade notura faz com que os adolescentes tenham uma propensão três vezes maior a sentir cansaço na escola, e ainda pode ser um empecilho para o bem-estar.

O levantamento foi feito com mais de 900 alunos de 12 a 15 anos, que foram entrevistados sobre hábitos da internet e sobre a satisfação com diversos aspectos da vida, como estudos, aparência e amizades.

As meninas foram bem mais propensas a acessar mídias sociais durante a noite que os meninos. Os resultados também mostraram que os alunos que relataram estar sempre cansados na escola eram significativamente menos felizes que os jovens mais dispostos.

Para os pesquisadores do Instituto de Pesquisa Social e Econômica do País de Gales, no Reino Unido, o número é pequeno, mas significativo, e dá uma dimensão de o quanto as mídias sociais podem levar à privação de sono e atrapalhar a vida dos jovens.

 


Não basta mandar seu filho dormir cedo; você deve fazer o mesmo
Comentários Comente

Jairo Bouer

jovensinsonia615

Um estudo indica que a duração do sono de uma criança é influenciada pelo padrão dos pais. Em outras palavras, para fazer os filhos dormirem mais, o que é fundamental para a prevenção de diversos problemas, a família inteira precisa reavaliar sua rotina.

O trabalho, publicado no Journal of Clinical Sleep Medicine, também mostra que a simples confiança dos pais na capacidade de melhorar o sono dos filhos pode trazer benefícios.

Os pesquisadores, da Faculdade de Medicina de Harvard, avaliaram 790 pais, com idade média de 41 anos e filhos entre 6 e 12 anos de idade. Ao todo, 57% relataram sentir muito ou extremamente confiantes de que seriam capazes de ajudar os jovens a dormir melhor. E essas crianças, de acordo com os resultados, tinham quase meia hora a mais de sono por dia em relação aos filhos de pais menos crentes.

A equipe descobriu que as crianças dormiam um pouquinho mais a cada hora de sono que os pais conseguiam acrescentar à sua própria rotina.

O estudo também avaliou a relação entre a duração do sono dos filhos com o tempo que os pais dedicam à TV e ao computador, mas não encontrou influência significativa. Ou seja: para melhorar o sono da criança, não basta desligar as telas e diminuir as luzes de casa – os pais também precisam dormir.

A Academia Americana de Medicina do Sono recomenda que crianças entre 6 e 12 anos durmam de 9 a 12 horas por dia para ter boa saúde. Nessa faixa etária, o descanso adequado beneficia o comportamento, o aprendizado e até a segurança dos pequenos.