menu
Topo
Blog do Jairo Bouer

Blog do Jairo Bouer

Machos que brincam mais com bebês podem ter vantagem reprodutiva

Jairo Bouer

15/10/2018 19h27

Crédito: Wikimedia Commons

Ao contrário de outros macacos grandes, gorilas machos têm o curioso hábito desenvolver laços afetivos e passar horas brincando com filhotes, inclusive com aqueles que não compartilham seus genes, o que não é muito comum no mundo animal. Antropólogos decidiram estudar melhor esse comportamento e descobriram algo surpreendente – os indivíduos que mais dedicam tempo aos bebês são os que mais se reproduzem.

O trabalho, publicado no periódico Nature Scientific Reports, foi realizado por pesquisadores da Universidade de Northwestern, nos EUA, em parceria com antropólogos do Instituto Max Planck e do Fundo Dian Fossey.

A equipe vem estudando, há anos, os gorilas selvagens das montanhas de Ruanda. Em um estudo anterior, os pesquisadores mostraram que os machos cuidam não só dos próprios filhotes, mas também passam horas com os bebês de outros machos do grupo. A descoberta desafia a visão que se tinha do cuidado paterno entre os mamíferos.

Seguindo a lógica da teoria da evolução, dedicar tempo aos filhotes é algo que só faria sentido ao se tratar dos próprios descendentes. Afinal de contas, o importante é perpetuar os próprios genes. É por isso que o cuidado paterno é mais observado em espécies monogâmicas, sistema que traz um pouco mais de certeza sobre quem é o pai de verdade.

Mas gorilas são polígamos. E mais: são obrigados a competir bravamente para conseguirem se reproduzir num grupo liderado por um único macho-alfa. Os machos são grandes (bem maiores que as fêmeas), bravos e até batem no peito para impor respeito. Mas são fofos quando cuidam dos pequenos.

Depois de acompanhar centenas de indivíduos de diferentes idades, os pesquisadores parecem ter matado a charada: os gorilas que passam mais tempo com filhotes têm 5,5 vezes mais descendentes do que os menos interessados nos pequenos. Uma diferença marcante no sucesso reprodutivo. O que leva a crer que esses primatas encontraram uma estratégia alternativa para conquistar mais parceiras.

Você pode estar achando estranho eu falar sobre gorilas, mas entender melhor os animais que mais se assemelham com a gente na escala evolutiva pode trazer informações valiosas sobre a nossa própria espécie. Como esses animais, sabe-se que nossos ancestrais humanos também eram polígamos. É comum as mulheres se encantarem com homens que têm jeito com criança. Será que essa característica masculina tem a ver com sucesso reprodutivo?

Sobre o autor

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. Nos últimos 25 anos tem trabalhado com divulgação científica e comunicação em saúde, sexualidade e comportamento nos principais veículos de mídia impressa, digital, rádios e TVs de todo o país.

Sobre o blog

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e opiniões sobre biologia, saúde, sexualidade e comportamento.