Blog do Jairo Bouer

É preciso falar com o jovem sobre assédio, amor e misoginia, alerta estudo

Jairo Bouer

17/05/2017 17h26

Um relatório que acaba de ser divulgado por especialistas em educação da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, alerta para o alto número de adolescentes e jovens adultos que vêm sofrendo preconceito e assédio sexual. O documento faz um alerta para os adultos,  muitas vezes ignoram o problema ou não sabem lidar com ele, por achar que tudo faz parte da cultura do “ficar”.

O trabalho, intitulado “A Conversa: Como os adultos podem promover relacionamentos saudáveis entre os jovens e prevenir a misoginia e o assédio sexual”, envolveu pesquisas com mais de 3.000 estudantes do ensino médio e jovens adultos que vivem naquele país, dezenas de entrevistas formais e conversas informais.

Entre as principais descobertas está o fato de que tanto adultos como adolescentes superestimam a cultura do “ficar” e do sexo casual. E isso tem feito muitos jovens se sentirem pressionados a transar mesmo sem ter  muito interesse.

O estudo também mostrou que os adolescentes sentem muita ansiedade em relação a relacionamentos românticos duradouros, mas os pais, educadores e outros adultos muitas vezes não ajudam com nenhum tipo de orientação sobre isso. Cerca de 70% dos entrevistados de 18 a 25 anos relataram ter desejo de receber mais informações sobre aspectos emocionais dos relacionamentos. E 65% disseram que gostariam de ter esse tipo de orientação no contexto da educação sexual, na escola.

A misoginia (desprezo pelas mulheres) e o assédio sexual são um problema generalizado, bem como o preconceito de gênero, e os pais também não têm falado sobre isso com os jovens, de acordo com o relatório. Nada menos que 87% das mulheres entrevistadas afirmaram já ter sofrido algum tipo de assédio sexual, e 76% dos entrevistados de ambos os sexos nunca tiveram uma conversa com os pais sobre como é importante não assediar os outros. E um em cada 3 homens disse pensar que os homens devem ser dominantes em relacionamentos românticos.

A questão do consentimento em relação ao sexo é outro tema que carece de discussão, segundo os pesquisadores, que também recomendam que os pais conversem com seus filhos sobre as diferenças entre amor, paixão e atração, e sobre como identificar um relacionamento saudável ou não, um assédio ou uma demonstração de preconceito.

A dica dos especialistas é utilizar exemplos da própria vida ou até da mídia para explorar o assunto. Parece bobagem, mas às vezes é preciso explicar o que é ser respeitoso com os outros, em vez de apenas mandar o jovem fazer isso. Embora o estudo tenha sido feito nos Estados Unidos, os conselhos valem para qualquer cultura.

Sobre o autor

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. Nos últimos 25 anos tem trabalhado com divulgação científica e comunicação em saúde, sexualidade e comportamento nos principais veículos de mídia impressa, digital, rádios e TVs de todo o país.

Sobre o blog

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e opiniões sobre biologia, saúde, sexualidade e comportamento.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Blog do Dr. Jairo Bouer
Topo