PUBLICIDADE

Topo

Atividade física é remédio contra disfunção erétil, mostra revisão

Jairo Bouer

19/10/2016 20h38

doente615

Quem faz exercícios tem ereções melhores, mostra uma revisão de estudos feita por pesquisadores  das universidades Trás-os-Montes e Alto Douro, em Portugal. Mesmo homens com idade avançada, que fumam (ou fumaram) e têm diabetes ou doença arterial coronariana podem ter a função sexual melhorada se praticarem atividade física.

A equipe avaliou sete estudos, que envolviam um total de 505 homens de 43 a 69 anos, acompanhados de oito semanas a dois anos. Ao todo, 292 foram aleatoriamente escolhidos para completar uma série de exercícios aeróbicos, de fortalecimento do assoalho pélvico ou ambos. O restante não foi orientado a praticar nenhuma atividade.

Os participantes tiveram sua função sexual avaliada com notas de 5 a 25 – aqueles sem disfunção erétil apresentavam 22 pontos em diante. Os homens que se exercitaram apresentaram, em média, 3,85 pontos a mais que aqueles que não praticaram nenhuma atividade, ou que fizeram só os exercícios para o assoalho pélvico. Mesmo entre os participantes que tinham condições como doenças cardiovasculares os exercícios aeróbicos ou combinados produziram aumento da função sexual.

Os resultados sugerem que a atividade física pode ser usada sozinha ou em combinação com medicamentos para tratar a disfunção erétil.  As informações foram publicadas no British Journal of Sports Medicine e divulgadas no jornal britânico Daily Mail.

Sobre o autor

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. Nos últimos 25 anos tem trabalhado com divulgação científica e comunicação em saúde, sexualidade e comportamento nos principais veículos de mídia impressa, digital, rádios e TVs de todo o país.

Sobre o blog

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e opiniões sobre biologia, saúde, sexualidade e comportamento.