Topo
Blog do Jairo Bouer

Blog do Jairo Bouer

Excesso de peso pode aumentar risco de asma na infância

Jairo Bouer

02/07/2014 13h21

asma300Parte do aumento dos casos de asma em crianças no final do século 20 pode ser atribuída ao aumento do índice de massa corporal (IMC), ou excesso de peso, de acordo com uma pesquisa publicada na revista PLoS Medicine desta semana.

O estudo, liderado pela pesquisadora Raquel Granell, da Universidade de Bristol, no Reino Unido, traz evidências genéticas de que o peso e os percentuais de massa magra e de gordura aumentam o risco da doença no meio da infância.

A incidência de asma, uma doença crônica causada pela inflamação das vias aéreas, aumentou progressivamente nas últimas décadas. Estima-se que 200 milhões de adultos e crianças em todo o mundo sejam afetadas pela doença.

As causas da asma ainda são desconhecidas, mas especialistas acreditam que a obesidade seja uma delas. Estudos observacionais já trouxeram essa conclusão, mas, desta vez, os pesquisadores aplicaram um método chamado "randomização mendeliana", que utiliza tanto informação genética quanto dados observacionais.

Para tentar resumir, eles associaram as variantes genéticas conhecidas por afetar um fator modificável de risco – no caso, a massa corporal – à ocorrência de asma na infância.

Os pesquisadores avaliaram a presença da doença, o IMC e os percentuais de massa gorda e magra em 4.845 crianças com 7,5 anos de idade matriculadas em um estudo longitudinal que começou em 1991.

Eles avaliaram 32 variações genéticas associadas ao IMC e criaram uma pontuação a partir delas. Os autores perceberam que a pontuação genética teve forte associação com o IMC das crianças avaliadas e com a presença de asma. E concluíram que o risco relativo de desenvolver a doença aumentava em 55% para cada unidade a mais de IMC.

Os pesquisadores admitem que há algumas limitações no estudo – é possível, por exemplo, que algumas das variações genéticas associadas ao IMC também aumentem, de forma independente, o risco de asma.

Eles também acrescentam que ainda são necessárias mais pesquisas para entender como a composição corporal tem influência sobre a asma. Já se sabe que a obesidade gera inflamação, mas pode ser que haja algum mecanismo diferente que explique a associação entre as duas doenças.

Por último, eles ressaltam que o IMC elevado pode explicar apenas parte do aumento do risco de asma. Embora a obesidade venha aumentando em todo o mundo, alguns países vêm registrando desaceleração nos casos de asma. Isso significa que há outros fatores envolvidos na prevalência dessa doença além da obesidade.

Sobre o autor

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. Nos últimos 25 anos tem trabalhado com divulgação científica e comunicação em saúde, sexualidade e comportamento nos principais veículos de mídia impressa, digital, rádios e TVs de todo o país.

Sobre o blog

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e opiniões sobre biologia, saúde, sexualidade e comportamento.

Mais Blog do Jairo Bouer